Argumento

TARDE DEMAIS conta a história de quatro homens que tentam sobreviver ao naufrágio de uma velha canoa de pesca no meio do rio Tejo.

Após horas de submersão esperam a luz da manhã e a baixa da maré para poderem caminhar entre os bancos de ostras e chegarem a uma das duas ilhas aluviais, em direcção à margem. Mas a longa espera e a temperatura gelada da água deixou-os com os corpos debilitados e os pensamentos turvos.

Os caminhos escolhidos para chegarem √† margem reservam perigos e sacrif√≠cios inesperados. A salva√ß√£o n√£o parece √≥bvia.‚ÄúOlhem que isto √© perto de olho e longe de bra√ßo‚ÄĚ diz Ant√≥nio (Carlos Santos), o mais velho, que volta para o barco.

Os mais novos continuam a caminhada mas as opini√Ķes dividem-se e os conflitos emergentes separam-nos inevitavelmente. Os bancos de ostras cortam-lhes os p√©s, as correntes do rio arrastam-lhes os corpos. O lodo suga-lhes o movimento lento das pernas.

Joaquim (Nuno Melo), o mais forte, vê-se obrigado a voltar para o barco, para junto de António. Manel (Adriano Luz), depois de nadar até ao mouchão da Póvoa chega exausto, mas Zé (Vítor Norte), o dono da traineira, continua em direcção à margem. Anoitece.
Em terra, as famílias tentam desesperadamente arranjar meios para os salvar. João (Francisco Nascimento), filho de Zé, parte com Mestre Vau para o rio em busca deles.

A noite já vai longa quando a polícia marítima inicia uma busca no rio. A salvação tarda e os quatro pescadores estão à beira de serem derrotados pelo frio e pelo desespero.

Argumento : João Canijo / José Nascimento